segunda-feira, maio 08, 2006



o amor com a boca nos seios
a puxá-los levemente com os dentes.
o amor segurando-lhe as ancas,
da-te-me para sempre, diz.

fode-me, diz-lhe o amor.

as bocas numa só,
as coxas a envolverem o corpo do amor,
o corpo que se sustém em vertical
e se inclina a oferecer-lhe os seios
-para sempre -

amo-te,
fode-me amor, diz a mulher.

é quando nasce a rosa irisada
no ventre, no sexo da mulher.
o silêncio do gozo, do vôo,
no ventre, no pênis do homem.


silvia chueire

1 comentários:

Anonymous Anônimo diz que...

I say briefly: Best! Useful information. Good job guys.
»

maio 21, 2006 8:35 AM  

Postar um comentário

<< voltar