sábado, setembro 09, 2006


Ó abelha rainha, faz de mim
Um instrumento de teu prazer
Sim, e de tua glória
Pois se é noite de completa escuridão
Provo do favo de teu mel
Cavo a direta claridade do céu
E agarro o sol com a mão
É meio-dia, é meia-noite, é toda hora
Lambe olhos, torce cabelos
Feiticeira vamo-nos embora
É meio-dia, é meia-noite
Faz um zum na testa, na janela
Na fresta da telha
Pela escada, pela porta
Pela estrada toda afora
Ânima de vida
O seio da floresta amor empresta
A praia deserta zumbe na orelha: concha do mar
Ó abelha, boca de mel
Carmim, carnuda, vermelha
Ó abelha rainha, faz de mim
Um instrumento de teu prazer
Sim, e de tua glória

5 comentários:

Anonymous Cond' Arcos diz que...

Ai, abelhinha, abelhinha...

setembro 10, 2006 12:11 PM  
Anonymous Joana d'Arcos diz que...

Abelhinha... mas rainha...
Rimando! ;)

setembro 10, 2006 1:49 PM  
Anonymous eros diz que...

mel, melaço...
dá-me um pedaço...

setembro 11, 2006 12:09 AM  
Anonymous moreno regressado diz que...

Ou como a "mais bela embalagem",

a, sublime, do leite materno,

é sempre uma terna e meiga miragem,

que transforma em doce Céu o q, antes, era inferno...

setembro 11, 2006 9:36 AM  
Blogger BLOGDOED diz que...

ENTREI POR ACASO NA TUA PAGE.

SÓ ESCREVO DUAS COISAS

DU KARAI...

EXCELENTE FOTOS!

PARABENS!

novembro 17, 2006 2:19 AM  

Postar um comentário

<< voltar